junho 27, 2006

Pastéis de Vinho



A receita de hoje é uma das minhas jóias da coroa...
E é... da tia Irene, que já aqui apresentei!
Quando faz uma visitinha a alguém, a tia traz sempre com ela uma qualquer delícia e depois dá-nos a receita. Sim, que ela nunca seguiu aquela regra antipática de se fazer rogada com as receitas ou esconder o truquezinho que faz a diferença, tão irritante. E depois, lá diz o provérbio, quem tem unhas é que toca guitarra...

Tenho outras receitas de pastéis de forno, também dela, mas esta é a minha preferida, para além de ser a mais fácil, porque dispensa longos processos de amassar.
Também gosto muito de pastéis de massa tenra, mas por causa da trabalheira com a massa e por serem fritos, faço-os menos vezes.

Ora então :

Primeiro fazem uma carne estufada a preceito, com nem muito nem pouco molho; picam no robot ou na máquina de passar carne e obtêm um preparado untuoso, não deixem seco demais.
Eu prefiro cozinhar a carne aos quadradinhos e passá-la depois; comprar carne já picada para esta receita não gosto.
Se vos sobrou carne de um qualquer guisado, também serve.

Coloquem numa tijela grande duas chávenas de chá de farinha,
meia chávena de óleo ou azeite
meia chávena de vinho branco bom
sal (uma colher de chá cheia) e pimenta preta moída.

Misturem tudo com a colher de pau; forma rapidamente uma bola. Dêem 2 ou 3 amassadelas com a mão e atirem a massa ao fundo da tigela 2 ou 3 vezes. Já está. Se estavam irritados, atirar a massa descarregou a fúria!

Ponham no frigorífico enquanto preparam a superfície de trabalho: polvilham com farinha, vão buscar o rolo e o corta-massas.

Esta massa não se pega às mãos mas é relativamente mole, por isso não se estende muito fina, 3 ou 4mm de espessura. Não é muito fácil de trabalhar, mas é só dar-lhe o jeito. Eu perdoo-lhe do coração, porque depois de cozida fica estaladiça e friável, para além de se manter muito bem por muito tempo (o que quase nunca acontece, porque estes pastéis voam num instante!)

Estendem, colocam uma boa colher de sobremesa de recheio a intervalos certos, dobram e cortam os pastéis do feitio que quiserem (rectangulares, redondos...)










Coloquem num tabuleiro forrado com papel vegetal e pincelem com ovo batido.










Levem a forno quente até ficarem lourinhos e deliciem-se!

9 comentários:

Elvira disse...

Que maravilha, esta receita! Eu sou fanática de pastelinhos, salgadinhos, etc. Obrigada a sua tia Irene (por acaso, também tenho uma tia Irene que cozinha muito bem).

Eliana Scaramal disse...

Adorei essa receita e massa parece ficar maravilhosa.

Paula disse...

É realmente muito boa, Eliana, experimente.

Avental disse...

Essa massa é (era) mesmo um segredo. Acho que comia meia dúzia de pastéis, uma dúzia com aposta :) Guardei, claro.

Avental disse...

Essa massa é (era) mesmo um segredo. Acho que comia meia dúzia de pastéis, uma dúzia com aposta :) Guardei, claro.

mama disse...

parecem ser deliciosos! vou experimetar!
nada como ter uma tia com segredos desses!

download free tax forms disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Vânia V disse...

Aspecto deliciosos!
Quantos pastéis dá? E para o orecheio, que quantidade de carne?

Paula disse...

Vânia,

a quantidade de massa indicada dá para uns 20 pastelinhos dependendo do tamanho com que os faça, claro.
A quantidade de carne deve rondar os 300g, depois de pronta. Não é muito fácil indicar-lhe quantidades exactas porque eu trabalho muito "a olho"!

Beijinhos,
Paula.